quarta-feira, 27 de junho de 2012

A POESIA DE JAMIL SNEGE

Depois que o coração silencia
-Jamil Snege-

Para onde vai o canto,
depois que os lábios se fecham?
Para onde vai a prece,
depois que o coração silencia?
E os rostos que amamos
para onde vão, Senhor?
depois que nossas pupilas
se transformam em gotas de lama?
Ontem vi uma andorinha
que devia ter uns cinco milhões de anos.
Será que eu também sobreviverei
ao que restar de mim?

Um comentário:

Sissym disse...

Querido Pedro, não sei se vou sobreviver por tanto tempo à ação do mesmo, mas que até lá seja sempre doce, e... embalada pelas musicas que me fazem sonhar.

Beijos