terça-feira, 19 de maio de 2015

A POESIA DE CLAUDIA LEMOS

Ponteiros ao Vento  

           Claudia Lemos 

 ...quintais encantados
 carregam a realidade
 para o longe do tempo

 o céu da infância
 a janela mágica
 o chão de terra 

 anéis de barbante
sorrisos no muro
 pistas de capim 

chão de giz 
escrituras de tijolos 
os olhos no fim da rua

o quitandeiro na porta
chamando sabores 
o barulho eterno da serralheria

topadas em pedras 
de amarelinhas 
bandeirinha, lateiro-vivo 

os gritos escada abaixo
o chinelo mandão 
bicicleta sem freio

jogos de tabuleiro
dominós paternos
bingos maternos

liberdade da pipa 
carinho com a bola 
gudes marcadas 

 o pião do tempo
 furando calendários

quarta-feira, 13 de maio de 2015

A POESIA DE MANUEL BANDEIRA


O ATLÂNTICO A TUDO RESGUARDA

O Atlântico resguarda em suas profundezas a dor e os gritos daqueles que foram caçados no coração da Mãe África. Os que suportaram a dor, a fome, a sede, as correntes, os açoites e chegaram por aqui, ainda tiveram que suportar todo tipo de humilhação até que seus descendentes pudessem um dia se tornar PESSOAS. Outrora animais negros, muitos se libertaram antes do destino, pela doença, pelo rancor, pela incompreensão enfim... A liberdade dos negros escravos exigiu deles uma jornada de luta cuja única arma era a esperança aliada à paciência, a dor, a saudade e o rancor que nenhum outro homem já pode sentir em seu coração. Ser preto, negro ou crioulo, como queiram; sempre foi um rótulo imposto pelos poderosos de todas as épocas.
Hoje, 127 anos após a libertação dos escravos no Brasil, ainda temos que deparar com tanta desigualdade, com o preconceito absurdo que nos leva a crer que apesar de todos os avanços, ainda existem pessoas paradas no tempo, medíocres; tão medíocres quanto aquelas do tempo por onde ficaram. O Atlântico ainda resguarda o eco dos gritos que partiam dos navios negreiros. Ainda resguarda a liberdade dos que foram atirados aos tubarões. Ainda resguarda em suas águas uma ponte invisível que no passado, mesmo ao preço da dor, interligou a força dos africanos perante a fraqueza dos senhores de então. A força negra da África construiu o novo mundo e nos legou negros talentosos em todos os segmentos da atividade humana. HUMANOS! É isto que somos todos.Sejamos brancos ou negros. Liberdade ainda é necessária! Que os preconceituosos possam encontrar a liberdade de que precisam e que é a mais difícil de ser alcançada. Aquela que liberta de seus corações o monstro de uma supremacia absurda. Eles também tem duas pernas, dois braços, dois olhos, dois ouvidos, um coração e infelizmente; um cérebro atrofiado. Eles só não tem a pele negra, mas quem garante que seus corações não sejam negros como um carvão? 
O Atlântico a tudo resguarda!...

quinta-feira, 7 de maio de 2015

A MOÇA DO CASARÃO

O terreno fora um dia tal como uma página em branco. 
Uma página em branco provocativa, daquelas que faz o poeta atravessar a noite na tentativa de encontrar as palavras certas para sua nova criação.
 Palavra primeira encontrada e os versos despencam como uma chuva de cintilantes pedras preciosas. Preciosas palavras da escrita sobre coisa alguma. Vieram os homens e suas foices, seus ferros de cortar capim, suas enxadas... Suores a brilhar peles sob a ardência do sol. 
E assim começou a história de vidas, de personagens reais, de pessoas que só vi de longe, em esporádicas passagens à bordo de uma charrete. Me parece às vezes que era o final do século dezenove ou quem sabe; o começo do século vinte. Não tenho até hoje uma ideia correta a respeito disso, mas sei que vivi um pouco de cada uma dessas épocas bem ali, onde havia, nem sei como explicar, um enorme livro a ser escrito. 
As primeiras madeiras chegaram juntamente com os pregos e dia após dia foi surgindo o casarão imponente. Tempos depois, já pronta a casa, começaram as estrofes coloridas de um jardim, suas rosas e seus cravos, suas abelhas e borboletas e palmeiras que se tornariam tão imponentes quanto ao dono da casa. Pelo menos eu sempre imaginei dessa forma. Essa escrita inicial aconteceu muito antes das minhas esporádicas passagens por ali, quando a gente cortava o estradão e deparava com as poucas casas que existiam. Nestes tempos, eu ainda menino, recordo que as madeiras do casarão já estavam desgastadas pelo tempo, sem uma cor definida, sem vidas definidas também. Nunca em minhas passagens eu tivera a chance de ver alguém daquela casa, fosse no quintal, na frente da casa, na porta ou na janela. Sempre fechada como um livro fechado na estante e que a maioria acha que não tem nada de interessante que se possa ler. Mas tanto o livro quanto o casão fechados possuíam linhas, versos, relatos, essas coisas todas de autores com canetas tinteiro ou com ferramentas pesadas no cotidiano. Ventos com todos os poderes sopraram por ali durante anos e nuvens de todas as espessuras passearam por ali formando as misteriosas ilustrações daquela estranha escrita que só o tempo poderia compreender. Raios e trovões deram seu toque à cena trazendo a torrencialidade de tantas chuvas que fizeram o jardim verdejar e colorir, uma primavera após outra. E eu continuei passando ali até que um dia, para minha surpresa, vi na janela do sótão a figura de uma jovem mulher. Olhando o vazio ou talvez o distante, em roupas que já não se via pelas ruas de então, como se fosse uma invasora de épocas admirada com todas as mudanças da paisagem. Naqueles tempos quem seria eu para tentar entender que poderiam existir mundos paralelos? E que algumas pessoas de lá poderiam, às vezes, dar uma passeadela por aqui? Só vi a moça da janela em duas ocasiões.Na segunda vez ela acenou lá do alto como se se fosse um adeus. 

O casarão com paredes sem cor e seus lambrequins intactos ainda resistiu por muito tempo naquela página de uma história que jamais pude ler e que nem ao certo sei como foi escrita. Paredes, lambrequins, jardins, palmeiras, telhas e janelas grotescas jamais poderiam nos contar o que sucedeu ali ao longo de uma ou de várias vidas. Foram-se os dias, novas chuvas e muitos raios. O estradão de terra com seus barrancos avermelhados deu lugar ao asfalto. O casarão sucumbiu um dia qualquer e a moça da janela, em sua outra dimensão, creio eu, perdeu de vez o último sorriso por entre suas lágrimas de duas vidas. A cada tempo antigo que se esvai e dá lugar ao novo , as mudanças, presumo, também interferem no âmago daquilo que vive para sempre; a alma da gente.

-Pedro Brasil Junior - Curitiba,PR - 07 de Maio- 2015

segunda-feira, 13 de abril de 2015

ALEGRIA DE CACHORRO


Distante o Sol castiga!
Num instante o calor nos instiga... 
Há no ar um aroma seco e na brisa uma vontade de despir a alma.
E há na alma a sutiliza de parar no tempo! 
Tem um repuxo, tem um cão e tem gente apressada... 
O relógio tropeça em seus ponteiros... 
As pessoas desaceleram.. 
E o cão faz malabarismos simples como crianças de outrora 
numa tarde de chuva. 
E tudo para nos dizer numa língua de gestos que a vida é bela. 
A vida é bela, apesar de dura. 
A vida dura se a gente olhar de fato o que é belo. 
Água, cachorro e olhares atentos... 
E o dia segue seu compasso naquela canção que só 
os relógios sabem tocar.

 - Pedro Brasil Jr - 
Curitiba, 12/02/2015 - 16h13min.

DEDICANDO A TODOS OS QUE TIVEREM  E TEM A SORTE 
DE TAMBÉM VER A ALEGRIA DE UM SIMPLES CACHORRO.

quinta-feira, 12 de março de 2015

PÉ DE MEIA

Estáticas caixas e seus coloridos segredos. 
Solidão anual num canto escuro qualquer! 
Sótão! A falta de espaço exige! 
Parece até que foi ontem. Caixas abertas, cores ganhando vida outra vez. 
A árvore, as bolinhas e demais arranjos e o sorriso no rosto das crianças. Expectativa de presentes ou da presença do bom velhinho. 
Árvore armada, festa sentenciada e tudo já no esquecimento... 

Espírito natalino e suas festas que quase são intangíveis perante nossa pressa. 
E vem aquela antiga pergunta sem uma resposta definida: 
Para onde vamos com tanta pressa? O Natal se foi, aquelas caixas repousam no escuro outra vez e já se sente no ar aquele estranho aroma de chocolate. 
Coelhinhos tomam a cena, saídos de suas tocas e ovos de todos os tamanhos exaltam suas cores nos mercados da vida. Logo, esses dentuços todos voltam também para seus exílios anuais e nós, correndo atrás do tempo, às vezes abrimos a caixa do correio, aquela física na frente de casa para ver que surpresas a próxima fatura do cartão apresenta. 
Espíritos santificados em torno de festas e celebrações comerciais. 
Criação, produção, propaganda, compra, venda e pagamentos... 
Escravizam-se uns aos outros no que chamam de “luta pela vida”, quando a vida é livre por direito e não pode se desenrolar num campo de batalhas.
Passeamos em torno do Sol em 365 dias e quatro estações distintas. Comemoramos as datas especiais, abrimos os braços para quem chega, apertamos o coração aos que partem e seguimos com nossas dúvidas estrada à fora. 

Nossos segredos, nossos encontros, nossas ações, nossas conversas a toa, nossas rusgas e intrigas e nossas esperanças estão lá, guardadas naquelas caixas misteriosas, locadas por aranhas folgadas até o dia em que nelas se faz luz outra vez. 
Ao abri-las, tudo escapa! 
Recordamos por momentos do Natal ou da Páscoa passada, mas o velho, o antigo não mais interessa. Tem bolinhas diferentes à venda, tem coelhinhos mais vistosos enfim... 
Só uma coisa não tem: A presença de quem partiu, o sorriso de um dia já distante e a certeza de que se vai ancorar num porto realmente seguro. 
De incertezas é feita a vida. Decerto; o mais certo é viver com simplicidade, valorizar o “pé de meia” que se tem e abrir os olhos para ver o quanto de pessoas estão aquém do que nós somos e outro tanto que está além do que podemos ser. Pense nisto!